Hora de Estudar

domingo, 26 de março de 2017

ATPC DE 28 DE MARÇO

Caros professores, em atendimento a requerimentos de Pais e Alunos e sob a luz da: 

RESOLUÇÃO SE Nº 20, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1998 que dispõe sobre a operacionalização da reclassificação de alunos das escolas da rede estadual, nossa escola aplicou a as provas de reclassificação. E nesta oportunidade (ATPC) faremos uma análise no desempenho dos alunos que se reclassificaram. Como o aluno é aprovado se conseguir 50% em cada uma das áreas de conhecimento, certamente ele será conduzido para série/ano pleiteada com habilidades contemplas e também habilidades deficitárias. Sendo assim, analisaremos as avaliações dos alunos promovidos, para  tomarmos ciência dos níveis de aprendizagem deles e, consequentemente elaborarmos estratégias de ensino condizentes. 
Abaixo, apresento as Habilidades "cobradas" em cada questão da prova.     

Professor Coordenador Martins Ramos.





As provas de reclassificação apresentam 42 duas questões objetiva e uma redação.
           
Números das questões e suas respectivas habilidades.          6º ano (apto para 7º ano)





01- Estabelecer diferenciações entre os espaços bi e tridimensional. 
02- Perceber os diferentes aspectos da tridimensionalidade em Artes Visuais.
03- Investigar o efeito tridimensional do corpo na dança.
04- Identificar diferentes tipos de jogos. Identificar semelhanças e diferenças entre jogos e esportes.
05 -Associar as diferenças do aparelho locomotor à performance (rendimento) em habilidades
esportivas.
06- Reconhecer o gênero de um texto.
07- Reconhecer o uso do he/his e she/her para se referir a homens e mulheres, respectivamente.
08- Localizar informações específicas em textos.
09 - Identificar a sequência de acontecimentos em um texto (conto, miniconto, crônica, trecho de romance, fábula, charge, história em quadrinho ou letra de música.
10- Localizar informação explícita no texto.
11- Estabelecer a relação causa/consequência entre partes ou elementos de um texto.
12 -Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação, (travessão, aspas, dois-pontos, exclamação ou interrogação) em um texto (trechos de romance, conto, crônica, notícia).
13- Identificar o tema ou sentido global de um texto.
14 - Organizar os episódios principais de uma narrativa literária em sequência lógica.
15 -Reconhecer os elementos da narrativa (personagens, enredo, tempo, espaço ou foco narrativo) em um texto (conto, fábula, crônica, trecho de romance)
16 Identificar relações entre segmentos de um texto (contos, fábulas, crônicas, trecho de romance), a partir de substituição por: forma pronominal (pronome pessoal, possessivo ou demonstrativo), substantivo e sinonímia.
17- Reconhecer que os seres vivos se relacionam- se com o ambiente.
18 -Identificar em textos e/ou figuras animais e plantas característicos dos principais ecossistemas brasileiros.
19 -Identificar, em ilustrações e outros textos, características que diferenciam os seres vivos dos fatores não vivos do ambiente.
20- Identificar a função de produtores, consumidores e decompositores nas cadeias e teias alimentares.
21-  Associar impactos ambientais a variações populacionais em determinadas espécies.
22- Reconhecer ações individuais e coletivas na promoção da saúde.
23 - Identificar a possibilidade de determinadas populações contraírem doenças infecciosas, com base em seus respectivos indicadores relativos ao tratamento da água e esgoto.
24 - Identificar diferentes tipos de resíduos domésticos.
25 -Identificar diferentes formas de relevo terrestre e/ou impactos produzidos pela ação humana no modelado do relevo.
26- Avaliar, por meio de diferentes iconografias ou textos, formas de propagação de hábitos de
consumo que induzem a sistemas produtivos predatórios do ambiente.
27 - Observar e reconhecer os diferentes elementos constitutivos de uma dada paisagem.
28 -Identificar os pontos cardeais e colaterais e/ou aplicar técnicas de orientação relativa.
29 - Relacionar informações, com base em textos e/ou ilustrações, que permitam a percepção dos diferentes elementos da paisagem.
30- Identificar a existência das diferentes linguagens das fontes históricas.
31- Reconhecer os acontecimentos históricos em sua temporalidade, estabelecendo relações de anterioridade e posterioridade.
32- Identificar as principais contribuições das culturas antigas – em seus múltiplos aspectos para a conformação das sociedades contemporâneas.
33 Desenvolver o espírito investigativo e a autonomia ao buscar dados e informações.
34- Identificar a existência das diferentes linguagens das fontes históricas.
35- Resolver Problemas envolvendo divisor comum.
36 -Compreender os significados das operações básicas.
37 -Transformar um número misto em fração (e vice-versa).
38- Realizar as operações de adição e subtração de frações, com denominadores diferentes.
39- Relacionar a escrita numérica às regras do sistema posicional de numeração.
40 -Reconhecer elementos geométricos e relacionar com figura plana.
41 -Comparar perímetros e áreas de figuras planas representadas em malhas geométricas.
42 -Interpretar as informações representadas em gráficos.

                       
                Números das questões e suas respectivas habilidades. 



                                7º ano (apto para 8º ano)

01 -Compreender, construir e ampliar conceitos sobre o desenho e suas conexões com as diferentes linguagens artísticas.
02- Operar com o desenho como modo de pensar, perceber, observar, imaginar, projetar e expressar-se nas diferentes linguagens artísticas.
03- Compreender a importância do trabalho em equipe. Identificar alguns princípios técnicos das provas de corridas rasas.
04 -Identificar as capacidades físicas nas manifestações rítmicas nacionais.
05- Identificar a dinâmica tática do Voleibol.
06- Identificar e compreender os principais gestos técnicos e relacioná-los com regras específicas da Ginástica Rítmica (GR).
07- Relacionar imagem e informações em um texto.
08 -Reconhecer espaços onde eventos acontecem.
09- Identificar recurso semântico expressivo (antítese, personificação, metáfora, metonímia) em segmentos de um poema, a partir de uma dada definição.
10- Inferir informações implícitas em um texto.
11 -Localizar itens de informação explícita, distribuídas ao longo de um texto.
12- Inferir tema ou assunto principal de um texto com base em sua compreensão global.
13- Organizar os episódios principais de uma narrativa literária em sequência lógica.
14- Inferir o efeito de humor ou ironia produzido em um texto literário pelo uso intencional de palavras ou expressões.
15- Estabelecer relações de causa/consequência entre informações explícitas distribuídas ao longo de um texto.
16- Identificar o uso adequado da concordância nominal ou verbal, com base na correlação entre definição/exemplo.
17 -Reconhecer a importância dos fósseis e de outras evidências nos estudos da evolução.
18- Identificar por meio de coordenadas a localização de objetos em representações do céu.
19- Reconhecer fenômenos naturais, como vulcões, terremotos e tsunamis por meio de textos.
20- Comparar tamanhos e distâncias relativas dos astros pertencentes ao Sistema Solar.
21 -Classificar seres vivos apresentados em textos ou ilustrações com base em conceitos biológicos, como por exemplo, unicelular, pluricelular, autótrofo e heterótrofo, dentre outros.
22- Explicar causas e efeitos da extinção de determinadas espécies, com base em textos sobre essa temática.
23- Reconhecer as características dos processos nos quais ocorre a fermentação biológica.
24-  Construir argumentação plausível para a defesa da preservação da biodiversidade.
25-  Reconhecer, por meio de mapas e/ou textos, a distribuição espacial da atividade industrial no território brasileiro.
26- Identificar as características ambientais dos principais patrimônios geoecológicos nacionais e/ ou os processos de formação das instituições sociais e políticas que regulamentam o patrimônio ambiental brasileiro.
27 -Identificar, por meio de mapas e/ou tabelas, as desigualdades regionais do Brasil.
28 -Reconhecer, por meio de mapas e/ou textos, a distribuição populacional brasileira.
29 -Reconhecer, por meio de textos, mapas ou e/ou iconografias, o conceito de fronteiras.
30- Identificar processos históricos relativos às atividades econômicas, responsáveis pela formação e ocupação territorial.
31 -Identificar informações implícitas em um texto.
32- Identificar processos históricos relativos às atividades econômicas, responsáveis pela formação e ocupação territorial.
33 -Identificar as formas de resistência dos africanos e afrodescendentes visando à extinção do trabalho escravo, com ênfase para os quilombos.
34 -Estabelecer relações entre dados e informações contidos em documentos de variada natureza.
35 -Estabelecer a relação entre frações e suas representações decimais.
36- Compreender significados associados à escrita dos números negativos, bem como operações e expressões envolvendo números negativos.
37 -Identificar diferentes representações de um mesmo número racional.
38- Resolver problemas envolvendo a soma dos ângulos internos e externos de um polígono qualquer.
39- Identificar os elementos de um poliedro e estabelecer a relação entre eles.
40- Resolver problemas envolvendo proporcionalidade inversa ou direta.
41- Conhecer alguns procedimentos para resolução de uma equação: equivalência e operação inversa.
42- Resolver a equação de 1°grau.

                   
                   Números das questões e suas respectivas habilidades. 


                                  8º ano (apto para 9º ano)

01- Diferenciar modalidades da arte contemporânea, nas artes visuais.
02- Distinguir suporte materiais e imateriais nas produções artísticas.
03 -Investigar a arte e as práticas culturais como patrimônio cultural.
04- Identificar e compreender princípios técnicos relacionados às provas de corrida com barreiras e obstáculos.
05- Identificar os princípios táticos do futebol.
06-  Identificar a relação entre os níveis de atividade física, aptidão cardiovascular e predisposição à obesidade e controle do peso corporal.
07- Identificar as características do gênero gráfico.
08- Localizar informações em gráfico, páginas ou formulários da internet.
09 -Identificar os interlocutores prováveis de um texto, considerando o uso de formas verbais flexionadas no modo imperativo ou de determinado pronome de tratamento).
10 - Identificar recursos semânticos expressivos (figuras de linguagem) em um texto (publicitário, sinopse de filmes encontrados em sites de cinema, artigo de opinião, conto, crônica, trecho de romance, letra de música).
11- Identificar a finalidade de um texto.
12- Organizar em sequência lógica itens de informação explicita, distribuídos ao longo de um texto.)
13- Justificar o uso de determinados recursos gráficos sonoros ou rítmicos em um poema).
14 -Identificar uma interpretação adequada para um determinado texto literário).
15 -Inferir a tese de um texto argumentativo, com base na argumentação construída pelo autor).
16- Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização interna dos gêneros escritos (não literários).
17 -Comparar diferentes recursos energéticos como petróleo, carvão, gás natural em relação à biomassa, origens e usos.
18 - Reconhecer medidas de prevenção às DST e Aids.
19 - Reconhecer as principais características físicas da Terra, como sua esfericidade, sua dimensão e sua força de atração gravitacional, que nos mantém presos ao solo e faz os objetos caírem em direção ao centro terrestre.
20- Identificar os principais tipos de nutrientes presentes nos alimentos mais comuns da dieta diária.
21- Identificar os processos que ocorrem nas diferentes estruturas do sistema digestório.
22 -Ler e interpretar dados e informações apresentadas em gráficos; a partir de conhecimentos sistematizados sobre as estações do ano, argumentar sobre a sua influência na vida terrestre.
23- Identificar hábitos de vida que afetam a saúde do sistema cardiovascular.
24- Reconhecer e nomear, em ilustrações e modelos anatômicos, as partes do sistema reprodutor feminino e masculino.
25- Extrair informações em diferentes fontes, para exemplificar e explicar formas de utilização e/ou consequências do uso indiscriminado das distintas fontes de energia.

26- Identificar e analisar dados em tabelas, gráficos e mapas relativos ao uso, forma ou consequência ambiental da atividade energética global.
27- Identificar situações representativas do processo de globalização.
28 -Identificar, por meio de textos, mapas e/ou iconografias, elementos representativos da herança pré-colombiana no Peru e no México.
29-  Identificar, por meio de textos, mapas e/ou iconografias, modelos de produção e consumo que induzam a sistemas produtivos predatórios ao ambiente e à sociedade.
30- Identificar informações implícitas no texto.
31- Reconhecer a importância de analisar textos de época para melhor compreensão de temas e conteúdos históricos.
32- Identificar informações texto e aplica-las na resolução de problemas.
33 - Compreender a questão da terra no Brasil, identificando as diversas formas de propriedade ao longo da história, bem como a organização fundiária e os movimentos sociais a ela ligados.
34- Identificar, na sociedade contemporânea, práticas e situações de desrespeito aos direitos humanos.
35- Relacionar um número racional com um conjunto de frações equivalentes.
36 -Reconhecer um número racional como uma dizima periódica.
37 -Conhecer e operar com as propriedades das operações com potência de expoente inteiros.
38- Relacionar a linguagem algébrica dos Produtos Notáveis à Geometria.
39 - Realizar operações com polinômios.
40- Resolver sistemas de equações lineares.
41- Reconhecer e nomear um prisma.
42- Resolver problemas em diferentes contextos, que envolvam as relações métricas dos triângulos retângulos. 

segunda-feira, 20 de março de 2017

ATPC 21 DE MARÇO 2017

 Caros professores, nas ATPCs (aula de trabalho pedagógico coletivo) de 21 de março, entre outros temas daremos continuidade a Temática: projetos escolares.  Os textos abaixo e a socialização de ações realizadas por vocês, nesta ou em outras instituições de ensino serão o norte das atividades. 

Bom estudo!
Professor coordenador Martins Ramos.

TEXTO 1:   PROJETOS ESCOLARES: A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER 

Como profissionais da educação, quando pensamos numa sala de aula, buscamos logo as soluções que sejam mais interessantes e viáveis para que os alunos tenham interesse e participação quanto aos conteúdos abordados.


Sabemos que existem as grades curriculares com conteúdos adequados a cada série, que acabam dificultando o fazer do professor quanto à elaboração de uma temática onde todos esses possam se encaixar. Isso realmente seria impossível, mas o professor deve planejá-los e organizá-los de acordo com o centro de interesse da turma, de forma interdisciplinar, buscando uma fusão desses conteúdos. Pode-se, por exemplo, numa aula de ciências, fazer experiências concretas, como uma receita de bolo, mostrando o processo de mistura, fermentação e após, solicitar que os alunos façam uma produção de texto do trabalho realizado, para avaliar os aspectos de linguagem escrita, gramática, vocabulário, criatividade e desenvoltura em português.

A proposta de se trabalhar com projetos é justamente a de proporcionar um ambiente favorável ao saber. Por isso propomos que os temas sejam escolhidos juntamente com os alunos, para que esses sintam-se valorizados em suas opiniões e que tenham prazer em estudar e pesquisar aquilo que “querem” e, principalmente, percebam que a sala de aula não é o lugar onde deve-se engolir os conteúdos passados pelos professores, mas um espaço aberto de trocas de conhecimento.


Os temas da atualidade se tornam mais interessantes para as séries do ensino fundamental, como aquecimento global, poluição, preservação do meio ambiente, biocombustível, dentre vários outros. Já os conteúdos antigos, como os de história, podem ser resgatados e comparados ao mundo moderno.

É importante que o professor promova espaços para pesquisas, discussões em grupo, montagem de painéis referente aos temas, maquetes, enfim, tudo aquilo que se tornar centro de interesse dos alunos, podendo aprofundar o estudo e o conhecimento a cada dia. E que esses materiais sejam acumulados podendo tornar-se ponto de culminância do estudo, em uma feira ou mostra científico-cultural.

Com certeza, com essa abertura, o sucesso acontecerá, pois um grupo ativo, motivado e envolvido produz muito mais do que os acostumados à passividade.

Por Jussara de Barros 
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola





TEXTO 2:  Pedagogia dos projetos - Nilbo Nogueira


video


 Acesso em 17 de março de 2017 https://www.youtube.com/watch?v=eguk20OL76c




TEXTO 3:  Trabalhando com projetos - Celso Antunes
video

  Acesso em 17 de março de 2017   https://www.youtube.com/watch?v=dQ7aifxh16Y

segunda-feira, 13 de março de 2017

ATPC 14 DE MARÇO 2017

     ATPC  -  AULA DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO.

    Toda terça-feira das  9h50 min  às 12h20min
   
 Local: Bloco 1 - Sala Multidisciplinar. 
     
Caros Professores, no encontro desta terça-feira (14 de março), os temas serão: Grêmio estudantil e Programa novo mais educação. 

Professor Coordenador Martins Ramos.



                                        Textos de apoio:


Tire todas suas dúvidas e entenda o papel dos Grêmios Estudantis nas escolas da rede.


       Caderno Grêmio em forma:



Vídeo 2
video
Acessado em 13 de março 2017 https://www.youtube.com/watch?v=NUvFvdBSzsY



                                          Programa Novo Mais Educação



Portal MEC clique AQUI

            a)  Socialização para elaboração ou aperfeiçoamento de projetos. 

b) Projetos com detalhamentos das ações e responsáveis pelos projetos. 

       Projetos da Escola:

 1-    Acompanhamento pedagógico em Português:   5 turmas com 20 alunos cada;
       2-    Matemática:  5 Turmas com 20 alunos cada;
       3-    Tênis de mesa : 4 turmas com 20 alunos cada;
       4-    Educação Patrimonial: 4 turmas com 20 alunos cada;
       5-    Leitura: 4 turmas com 20 alunos cada.  


domingo, 5 de março de 2017

AULA DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO

                                 ATPC DE 07/Março 2017

Temas/Assuntos: 
 Formação: Educação interdimensional.
Gestão de currículo: Adaptação curricular.

Gestão de sala de Aula: Contrato pedagógico, normas de convivência, eleição de representantes/lideres de sala.
Reunião de Pais: Elaborar pauta.

Caro Professor, no planejamento entre outros fatos tratou da gestão de sala de aula. Na oportunidade a Professora Mayra (ciências) destacou a importância de uma docente em sua carreira profissional e,  sobretudo na vida pessoal. No relato emocionante da professora Mayra, ficou claro que a sua Professora preferida deixou marcas positivas. Então, discorri brevemente sobre a Educação Interdimensional. Ousei em dizer que a professora dela certamente exerceu com propriedade a educação interdimensional alicerçada pelos 4 pilares da educação.  Diante do interesse pelo tema, por grande parte dos professores julguei pertinente postar no Blog, alguns textos que tratam do assunto. Assim, teremos em nossa escola, professores que marcarão positivamente seus alunos.  A propósito, Paulo freire afirmou que todo professor é marcante, inclusive os ruins.






Prof. Coordenador Martins Ramos.


Textos de apoio:

1- Por uma educação Interdimensional.

CLIQUE aqui por uma Educação Interdimensional

COSTA, Antonio Carlos Gomes. Educação - Uma perspectiva para o século XXI. Editora Canção Nova: São Paulo, 2008.




2-  Celso Antunes | Os quatro pilares da educação

video

Não conseguiu abrir o Vídeo?   Então clique AQUI!



Texto 3:  Passo a passo da adaptação  na sala de aula.

Para flexibilizar o conteúdo, você precisa sondar o que o aluno já sabe, adaptar o que for necessário e fazer uma boa avaliação. Abaixo, veja a descrição de cada uma dessas etapas
1º Diagnosticar
Lembre-se de que, para construir novos conhecimentos, o estudante precisa contar com um ponto de partida, isto é, com algum conhecimento já construído por ele e que esteja relacionado ao conteúdo estudado no momento. Por meio de uma sondagem (um diagnóstico inicial ) descubra o que ele já sabe e verifique como pode contribuir com o coletivo. Tire o foco do diagnóstico médico e proponha situações desafiadoras para descobrir até onde o aluno pode chegar. Os laudos médicos são importantes para que conheçamos algumas características que costumam estar presentes em alunos com alguns tipos de deficiência, mas não contribuem para planejar o dia a dia em sala de aula.
É muito comum, sobretudo nos casos de alunos que apresentam algum tipo de deficiência intelectual, que a preocupação seja sobre o que “está faltando”, sobre aquilo que ele não sabe, mas isso raramente ajuda. Em vez de olhar para as dificuldades, foque nas possibilidades de aprendizagem. Você pode propor uma atividade diagnóstica específica e, no dia a dia, manter o olhar atento sobre o que o aluno conhece, qual a sua participação em projetos e trabalhos em grupo e em todas as atividades cotidianas.

A educadora Maria da Paz Castro, da Escola da Vila, em São Paulo, complementa com um exemplo. Ela cita o caso de um aluno que, ao contrário dos colegas, ainda não aprendeu a escrever. Se isso acontece o professor deve investigar o que a criança já sabe em relação à escrita e, a partir daí, traçar uma meta de aprendizagem. “Saber que ele precisa ser alfabetizado é muito pouco, muito amplo, e não nos aponta um caminho. Por outro lado, verificar que, embora não escreva da forma convencional, faz tentativas de escrita utilizando as letras que compõem seu nome, já nos aponta uma meta possível de ser alcançada neste primeiro momento”, explica. Nesta situação imaginada pela especialista é preciso estimular o estudante a ampliar seu repertório de letras. Isso pode ser feito, por meio da apresentação dos nomes dos colegas, para que perceba a existência de outras letras e reflita sobre a melhor forma de utilizá-las.

Outra hipótese, agora na disciplina de Matemática. É possível que haja um estudante que não se mostra capaz de fazer um cálculo simples, mas consegue considerar, por exemplo, que a cada dez números contados a sequência de unidades se repete (21, 22, 23, 24... 31, 32, 33, 34). Para este exemplo, o educador poderia estabelecer algumas metas, como propor uma contagem mais longa e a construção de outros conhecimentos sobre a organização do sistema de numeração, de fundamental importância para que o aluno consiga resolver problemas matemáticos no futuro.

2º Adaptar (ou flexibilizar)
Lembre sempre que as atividades são planejadas com base no contexto da sala de aula. Em algumas situações de adaptação curricular, é necessário transformar apenas os objetivos das sequências didáticas. Em outros casos, você deverá flexibilizar os meios para realizar certas atividades, lançando mão de mais recursos sonoros, visuais ou táteis, por exemplo.
Vejamos: no caso de um projeto que propõe a produção de um livro de animais para crianças do 3º ano, que, na maioria das vezes já sabem escrever, temos, para a classe, objetivos que visam a sistematização da escrita, a construção de procedimentos do escritor relativos ao texto informativo, a escrita das palavras já fazendo uso de muitas regras de ortografia, entre outros. Para aqueles alunos que ainda estão em fase de construção da compreensão das regras do sistema alfabético, podemos ter como meta os avanços que estes alunos podem ter escrevendo os nomes dos animais, observando e analisando o material de pesquisa onde se encontram palavras familiares, arriscando-se a escrever pequenas legendas (ainda que não consigam fazê-lo da forma convencional) etc. No caso dos alunos que apresentam deficiência visual, física ou auditiva, nossa função é fornecer-lhes o acesso ao material, lançando mão dos recursos conhecidos, tais como, aparelhos, lupas, o sistema braile e até das “nossas mãos”, se for preciso.
O currículo deve ser adaptado ou personalizado se o professor, junto à equipe pedagógica da escola, reconhecer a necessidade de o aluno contar com intervenções que se diferenciam de forma significativa das aplicadas ao resto da classe. Todos os alunos precisam aprender e construir procedimentos e posturas condizentes com a condição de estudantes. Portanto, nada de deixar seu aluno com deficiência como “café com leite” da turma.
Para exemplificar, listamos algumas orientações gerais de flexibilização para casos de deficiência intelectual, física, visual e auditiva. Veja:

Deficiência Intelectual: cada um destes alunos é único.  Por isso, é preciso conhecer os pontos fracos e fortes dessa criança para fazê-la avançar pelos meios mais adequados. É comum que estes estudantes tenham dificuldades com conteúdos abstratos.
Contextualizar as atividades e os conteúdos com situações do cotidiano podem ajudá-la a aprender. Outra sugestão é flexibilizar o tempo de realização da atividade conforme o ritmo da criança e repetindo as etapas sempre que for preciso. Isso não quer dizer que daremos a eles “todo o tempo do mundo”, pois, assim como os demais, esses alunos precisam ser desafiados a fazer as atividades em um tempo cada vez mais curto.

Deficiência Física: se o seu aluno possui deficiência física nos membros superiores, ofereça a ele pranchetas com apoios para que tenha firmeza ao escrever. Os lápis e canetas também devem estar envoltos em espuma, para que não escorreguem. Se houver limitação nos membros inferiores, este não é um motivo para excluir o aluno das aulas de Educação Física. Eles podem participar jogando com as mãos e você pode adaptar algumas modalidades para que todos joguem nas mesmas condições.

Deficiência Visual: em parceria com o AEE, ofereça registros escritos em braile ao aluno cego. Deixe que ele grave as aulas e, se tiver uma máquina braile, respeite o tempo de escrita desta criança (que pode ser maior que o dos colegas). Providencie, ainda, estímulos táteis, auditivos e olfativos, para que a criança consiga perceber texturas, formas e aromas.

Deficiência Auditiva: ter um intérprete de Libras na escola é um direito. Mas, se a sua escola ainda não contar com a ajuda deste profissional, não desista. Abuse dos estímulos visuais e táteis, ofereça bons registros escritos e em imagens e ajude o seu aluno no dia a dia. Proponha que ele sente nas carteiras da frente e procure falar olhando para o aluno, caso ele seja capaz de fazer a leitura orofacial.

3º Avaliar
Determine metas, intervenções e objetivos de aprendizagem específicos para os alunos que apresentam algum tipo de deficiência.  Consequentemente, a avaliação desses estudantes vai refletir as adaptações que você fez para ensinar, já que a avaliação é sempre pautada no que já foi dado em sala de aula.

É fundamental considerar que, se a classe inteira está fazendo uma prova, esse aluno também deverá ser submetido à situação de avaliação que, obviamente, deverá ser construída a partir do que foi trabalhado com ele. Conte com vários instrumentos de avaliação e selecione aqueles que proporcionem maior número e qualidade de informações acerca do desempenho. É sempre bom lembrar que os alunos com deficiência precisam passar pelos momentos avaliação ao mesmo tempo que os colegas. Podemos dizer que este é um princípio importantíssimo para seu processo de inclusão efetivo.

Ainda que a classe esteja trabalhando na área de Matemática com as frações, por exemplo, e ele com os cálculos simples, o aluno deve ser submetido à prova que aborda estes cálculos, deve ser orientado para estudar, e sua prova deve ser montada como as outras. Detalhes como cabeçalho idêntico ao da prova regular, sistema de avaliação (notas ou conceitos) e correção/devolução no mesmo dia e na mesma hora do grupo, são importantíssimos.

A observação do aluno em momentos de aprendizagem ou de atuação coletiva é mais um instrumento bastante valioso e oferece a possibilidade de avaliar outros tópicos, que não os avaliados em uma prova, ou outra situação formal de aprendizagem. Assim, todos os instrumentos são importantes, mas nenhum deles substitui outro.


Não se esqueça de fazer bons registros de todas as atividades realizadas com a turma e de guardar as produções dos alunos. Isso vai ajudá-lo a traçar um panorama de aprendizagem e focar, no planejamento, os pontos em que o aluno ainda precisa avançar. Você também deve criar relatórios periódicos com as análises quantitativa e qualitativa do desempenho dos alunos e utilizar esses dados no momento de replanejar as aulas ou de repensar algumas atividades.