Hora de Estudar

sábado, 29 de outubro de 2016

ATPC n.º 34 de 1 de Novembro

Caros professores, entramos em novembro e em nosso primeiro encontro (*ATPC) no mês da consciência negra, vejo como pertinente e salutar propiciar momentos de reflexão e revisitação em nossa proposta pedagogia e planos de ensino. Sob a luz da legislação e documentos internos debateremos sobre o ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA. 



Sugiro que façam as leituras apresentadas abaixo, e tragam para nossa reunião contribuições que favoreçam nosso encontro.  Sabemos que o dia 19 de novembro (sábado), será um dia de reposição, então seria possível realizar uma atividade com alunos e comunidade sobre o tema em questão? 
Pensem em outras atividades e as apresentem no encontro.




  * ATPC  (Aula de Trabalho Pedagógico Coletivo).

Boa leitura!


Professor Coordenador: Martins Ramos.





               Tema: A África no currículo escolar.

  Texto 1      Vídeo: África no currículo escolar

video


 Texto 2:  LEI 10.639/03 E O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA. (Leandro Carvalho
Mestre em História).

ESTRATÉGIAS DE ENSINO

A Lei 10.639/03, que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana, ressalta a importância da cultura negra na formação da sociedade brasileira.



O ensino da história e cultura afro-brasileira e africana no Brasil sempre foi lembrado nas aulas de História com o tema da escravidão negra africana. No presente texto pretendemos esboçar uma reflexão acerca da Lei 10.639/03, alterada pela Lei 11.645/08, que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas e particulares, do ensino fundamental até o ensino médio.

Uma primeira reflexão que devemos fazer é sobre a palavra escravo, que foi sempre atribuída a pessoas em determinadas condições de trabalho. Portanto, a palavra escravo não existiria sem o significado do que é o trabalho e das condições para o trabalho.

Quando nos referimos, em sala de aula, ao escravo africano, nos equivocamos, pois ninguém é escravo – as pessoas foram e são escravizadas. O termo escravo, além de naturalizar essa condição às pessoas, ou seja, trazer a ideia de que ser escravo é uma condição inerente aos seres humanos, também possui um significado preconceituoso e pejorativo, que foi sendo construído durante a história da humanidade. Além disso, nessa mesma visão, o negro africano aparece na condição de escravo submisso e passivo.

A Lei 10.639/03 propõe novas diretrizes curriculares para o estudo da história e cultura afro-brasileira e africana. Por exemplo, os professores devem ressaltar em sala de aula a cultura afro-brasileira como constituinte e formadora da sociedade brasileira, na qual os negros são considerados como sujeitos históricos, valorizando-se, portanto, o pensamento e as ideias de importantes intelectuais negros brasileiros, a cultura (música, culinária, dança) e as religiões de matrizes africanas. 

Com a Lei 10.639/03 também foi instituído o dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro), em homenagem ao dia da morte do líder quilombola negro Zumbi dos Palmares. O dia da consciência negra é marcado pela luta contra o preconceito racial no Brasil. Sendo assim, como trabalhar com essa temática em sala de aula? Os livros didáticos já estão quase todos adaptados com o conteúdo da Lei 10.639/03, mas, como as ferramentas que os professores podem utilizar em sala de aula são múltiplas, podemos recorrer às iconografias (imagens), como pinturas, fotografias e produções cinematográficas.

Uma boa indicação de material didático para abordar esse conteúdo são os materiais intitulados A Cor da Cultura, que variam entre livros animados, entrevistas, artigos, notícias e documentários, disponíveis em  http://www.acordacultura.org.br/– material importante que ressalta a diversidade cultural da sociedade brasileira.

 Outro importante material sobre a história da África, o qual os professores poderão utilizar como suporte teórico para a compreensão da diversidade étnica que constitui o continente africano, é a coleção História Geral da África, que tem aproximadamente dez mil páginas, distribuídas em oito volumes. Criada e reeditada por iniciativa da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), a coleção aborda desde a pré-história do continente africano até os anos 1980, e está disponível para download gratuito em http://www.dominiopublico.gov.br.

O ensino da história e cultura afro-brasileira e africana, após a aprovação da Lei 10.639/03, fez-se necessário para garantir uma ressignificação e valorização cultural das matrizes africanas que formam a diversidade cultural brasileira. Portanto, os professores exercem importante papel no processo da luta contra o preconceito e a discriminação racial no Brasil.

Leandro Carvalho
Mestre em História

3- Sugestão

Site do projeto "A cor da cultura"


SOBRE O PROJETO

A Cor da Cultura é um projeto educativo de valorização da cultura afro-brasileira, fruto de uma parceria entre o Canal Futura, a Petrobras, o Cidan - Centro de Informação e Documentação do Artista Negro, a TV Globo e a Seppir - Secretaria especial de políticas de promoção da igualdade racial. O projeto teve seu início em 2004 e, desde então, tem realizado produtos audiovisuais, ações culturais e coletivas que visam práticas positivas, valorizando a história deste segmento sob um ponto de vista afirmativo.  

 Professor Coordenador: Martins Ramos.



terça-feira, 25 de outubro de 2016

Portaria CGRH-6, de 24-10-2016

COORDENADORIA DE GESTÃO DE
RECURSOS HUMANOS
Portaria CGRH-6, de 24-10-2016
Estabelece cronograma para a divulgação da classificação dos inscritos no processo inicial de atribuição de classes e aulas de 2017

A Coordenadora da Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos, considerando a necessidade de estabelecer datas e prazos para a divulgação da classificação dos inscritos, no
referido processo, expede a presente Portaria:
Artigo 1º - A divulgação da classificação dos inscritos estará disponível, exclusivamente no endereço http://drhunet.edunet.sp.gov.br/Portalnet , na seguinte conformidade:
I. Titulares de Cargo:
a) 07-11-2016 - divulgação da classificação na WEB, a partir das 10 horas;
b) 07 a 10-11-2016 - prazo para interposição de recursos no endereço eletrônico http://drhunet.edunet.sp.gov.br/Portalnet, até às 18 horas;
c) 07 a 18-11-2016 - deferimento/indeferimento dos recursos no endereço acima pela DE, até às 18 horas;
d) 09-01-2017 - divulgação da Classificação Intermediária, a partir das 14 horas;
e) 09-01-2017 - divulgação da Classificação - Artigo 22, a partir das 14 horas;
f) 09 a 11-01-2017 - prazo para interposição de recursos no endereço eletrônico, http://drhunet.edunet.sp.gov.br/Portalnet , até às 18 horas;
g) 09 a 13-01-2017 - deferimento/indeferimento dos recursos no endereço acima pela DE, até às 18 horas;
h) 17-01-2017 - divulgação da Classificação Final pós recursos, a partir das 14 horas.
II. Docentes das Categorias “P”, “N”, “F”:
a) 07-11-2016 - divulgação da classificação na WEB, a partir das 10 horas;
b) 07 a 10-11-2016 - prazo para interposição de recursos no endereço
c) 07 a 18-11-2016- deferimento/indeferimento dos recursos no endereço acima pela DE, até às 18 horas;
d) 09-01-2017 - divulgação da Classificação Intermediária, a partir das 14 horas;
e) 09 a 11-01-2017 - prazo para interposição de recursos no endereço eletrônico http://drhunet.edunet.sp.gov.br/Portalnet , até às 18 horas;
f) 09 a 13-01-2017 - deferimento/indeferimento dos recursos no endereço acima pela DE, até às 18 horas;
g) 17-01-2017 - divulgação da Classificação Final pós recursos, a partir das 14 horas.
III. Docentes Contratados em 2014, 2015 e 2016;
a) 07-11-2016 - divulgação da classificação na WEB, a partir das 10 horas;
b) 07 a 10-11-2016 - prazo para interposição de recursos, no endereço
c) 07 a 18-11-2016- deferimento/indeferimento dos recursos no endereço acima pela DE, até às 18 horas;
d) 09-01-2017 - divulgação da classificação intermediária, a partir das 14 horas.
e) 09 a 11-01-2017 - prazo para interposição de recursos no endereço eletrônico http://drhunet.edunet.sp.gov.br/Portalnet , até às 18 horas;
f) 09 a 13-01-2017 - deferimento/indeferimento dos recursos no endereço acima pela DE, até às 18 horas;
g) 17-01-2017 - divulgação da Classificação Final pós recursos, a partir das 14 horas.
Artigo 2º - Os docentes Titulares de Cargo, Docentes das
Categorias “P”, “N”, “F”, “O” com contratos celebrados em 2014, 2015 e 2016, poderão interpor recurso referente à pontuação,
habilitação/ qualificação e dados pessoais, devendo apresentar documentação comprobatória na Diretoria de Ensino.
Parágrafo único - Os recursos solicitados e não fundamentados serão indeferidos pela Diretoria de Ensino.
Artigo 3º - O aluno de último ano inscrito no Processo de Atribuição de Classes/Aulas para o ano letivo de 2017, poderá no período de 02 a 04-01-2017 entregar, na Diretoria de Ensino de inscrição, documentos comprobatórios de conclusão do Curso, Diploma e/ou Certificado de conclusão, exceto o aluno de último ano do Curso de Educação Física que somente poderá
comprovar a conclusão do Curso mediante Diploma e credenciamento no Conselho Regional de Educação Física - CREF.
Artigo 4º - A Diretoria de Ensino deverá registrar a atualização dos docentes mencionados no artigo 3º, no sistema GDAE, Contagem de Tempo (para pontuação) e Formação Curricular
(para habilitação/qualificação), no sistema PAEC/PAEF (para dados pessoais), no período de 02 a 05-01-2017, até às 18:00, para fins de classificação.
Artigo 5º - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

Fonte: Diário Oficial do Estado de São Paulo, acessado em 25/10/16

Professor Coordenador: Martins Ramos.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

ATPC n.°33 de 25 de outubro, 2016.

Tema: PDCA no plano de ação individual dos professores.


Visando a conclusão do ano letivo, no encontro desta terça-feira, a aula de trabalho pedagógico coletivo (ATPC) será voltada à análise, revisão e alteração no plano de ação individual. Ou seja, será feito o PDCA (do inglês: PLAN - DO - CHECK - ACT / Plan-Do-Check-Adjust) é um método interativo de gestão de quatro passos, utilizado para o controle e melhoria contínua de processos e produtos).

Desenvolvimento: 









                       
 1-Análise coletiva nos desempenhos das turmas;
 2- Verificação das habilidades em defasagem por turma;
 3- Análise do calendário escolar (verificar quantidades de dias letivos para o encerramento do bimestre) 
 4- Elaborar estratégias de recuperação;
 5- Cada professor verificará seu plano de ação e o submeterá ao PDCA; 
 6- Socialização dos planos.

                                  Modelo de calendário/agenda:

          Professor:                                                             NOVEMBRO  2016
DOMINGO
SEGUNDA
TERÇA
 QUARTA
QUINTA
SEXTA
SÁBADO





1
ATPC

2
FERIADO
3
4
5
6

7


8
ATPC

9
10
11
12
13

14


15 FERIADO
16
17
18
19
REPOSIÇÃO
20

21


22
ATPC
23
24
25
26
27

28


29
SARESP
30
SARESP







Professor:                                                                                     DEZEMBRO  2016
DOMINGO
SEGUNDA
TERÇA
 QUARTA
QUINTA
SEXTA
SÁBADO






1
2
3
4
5
6
ATPC
7


8
9
10
11
12


13
ATPC
14
15
16
17
18
19


20
ATPC
21
22
23
24
25
26


27

28
29
30
31


Sugestão de controle, porém cada professor terá a liberdade para fazer seus registros.


Ilustração do conceito de PDCA.

Caros professores, tragam para a reunião: notebook e Pendrive.

Professor Coordenador: Martins Ramos

domingo, 23 de outubro de 2016

Projeto ProEMI: Leitura, letramento e etnias

 O Projeto ProEMI:  Leitura, letramento e etnias desenvolvido pelos alunos do ensino médio, sob mediação dos professores e equipe gestora da EE Maria Ivone Martins Rosa, propiciou ações essenciais para o desenvolvimento e aprimoramento do protagonismo juvenil favorecendo assim, a autonomia a solidariedade e competências.


  "O Programa Ensino Médio Inovador- ProEMI, instituído pela Portaria nº 971, de 9 de outubro de 2009, integra as ações do Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE.  



O objetivo do ProEMI é apoiar e fortalecer o desenvolvimento de propostas curriculares inovadoras nas escolas de ensino médio, ampliando o tempo dos estudantes na escola e buscando garantir a formação integral com a inserção de atividades que tornem o currículo mais dinâmico, atendendo também as expectativas dos estudantes do Ensino Médio e às demandas da sociedade contemporânea".





                                                  Culminância 

A culminância refletiu a importância  e necessidade de ações inovadoras para aguçar nos alunos desejo  do aprender. Sendo eles os protagonistas, percebeu-se que o envolvimento dos educandos nas situações de construção da aprendizagem foi significativo, e, consequentemente mais produtivo.  Abaixo alguns registros da culminância realizada no dia 21 de outubro e reapresentada no dia 22 de outubro na reunião de pais. 



O Brasil recebeu o "mundo" de braços abertos, com respeito e cordialidade aos costumes; crenças; culturas e demais peculiaridade de cada nação representada no projeto. 











































Esta postagem será completada com depoimentos de alunos e professores e suas respectivas legendas. Aguardem.

Professor Coordenador: Martins Ramos.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

DECRETO Nº 62.219, DE 18 DE OUTUBRO DE 2016


DECRETO Nº 62.219,
DE 18 DE OUTUBRO DE 2016
Dispõe sobre o expediente nas repartições públicas
estaduais no dia 28 de outubro de 2016, e dá
providências correlatas
GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo,
no uso de suas atribuições legais e considerando que o dia 28
de outubro é data consagrada às comemorações do "Dia do
Funcionário Público",
Decreta:
Artigo 1º - Fica suspenso o expediente nas repartições públicas
estaduais pertencentes à Administração Direta e Autarquias
no dia 28 de outubro de 2016 (sexta-feira).
Artigo 2º - O disposto neste decreto não se aplica às repartições
públicas que prestam serviços essenciais e de interesse
público, que tenham seu funcionamento ininterrupto.
Artigo 3º - Este decreto entra em vigor na data de sua
publicação.
Palácio dos Bandeirantes, 18 de outubro de 2016

domingo, 16 de outubro de 2016

Pauta ATPC 32 de 18/10/16 Tema: Reunião de Pais.

Caros professores, nesta terça-feira dia 18, nosso encontro (ATPC) tratará da reunião da pais marcada para o próximo sábado, dia 22. Para tanto, vamos montar a pauta da  reunião. Levarei os gráficos com os rendimentos dos alunos nas três avaliações:

AAP 1.º bimestre
AAP 2.º bimestre
AAP 3.º bimestre
(AAP- Avaliação de aprendizagem em processo).

Analisaremos também, as fichas individuais dos alunos (se necessário faremos atualizações).


Sugiro a leitura do texto abaixo, como leitura de apoio.
Texto de Roseli Brito, do instituto S.O.S professores.

Boa Leitura,

Prof. Coordenador Martins Ramos.

                   
          
                                   Reunião de Pais precisa ser tensa ou tumultuada?

Lidar como ser humano não é uma tarefa fácil. Para o Professor isso fica ainda mais difícil quando chega o momento da Reunião de Pais, que é um momento carregado de muita tensão emocional.
Para você brilhar na próxima Reunião de Pais, aqui vão algumas dicas para você usar:

1.     CONVIDE O PAI E A MÃE: Encoraje ambos os pais para que venham na Reunião de Pais. Mal-entendidos serão evitados se ambos os pais ouvirem o que você tem a dizer.
2.     ESTABELEÇA e firme contato muito antes da Reunião de Pais. Informe sempre aos pais o que os filhos devem estudar, quando tem lições e trabalhos para entregar, e principalmente, mantenha-os sempre informados a respeito das dificuldades e progressos do aluno. Jamais deixe para dar esse feedback apenas depois que as notas estiverem fechadas.
3.     REUNIÃO SEM PRESSA: Jamais faça reunião com pressa. Planeje o tempo que for necessário de modo que todos os assuntos sejam abordados de maneira apropriada. Quando a Reunião de Pais for individual, 20 a 30 minutos é adequado.

4.     ESTEJA PRONTA para todo tipo de perguntas. Esteja preparada para responder todo o tipo de perguntas que os pais venham a ter. Ocorrerão perguntas específicas, difíceis ou ainda as indelicadas. Mantenha sempre o domínio das suas emoções e o bom humor. Jamais leve para o lado pessoal.

5.     TENHA SEMPRE SEUS REGISTROS organizados com antecedência. Tenha sempre em mãos e organizados: Diários de classe, anotações feitas na agenda do aluno, relatórios, provas/trabalhos realizados pelo aluno, e quaisquer outros registros pertinentes ao assunto em pauta. Deste modo você terá como comprovar as suas afirmações.

6.     RETIRE TODAS AS BARREIRAS FÍSICAS. Os Pais não são seus alunos, por isso jamais coloque-os para sentarem-se nas carteiras enfileiradas, ou até mesmo nas carteiras da sala do prezinho. Arrume o lay-out da sala de aula de um modo que todos possam ver uns aos outros (Ex. em semi-circulo, ou circulo).

7.     INIMIGA X PARCEIRA: Se você quiser ficar com a fama de inimiga no. 1 dos Pais é só concentrar nos DEFEITOS do aluno. A solução para ser parceira dos Pais é concentrar nos TALENTOS, e quando houver problemas, foque nas NECESSIDADES do aluno. Falar para os Pais: “seu filho é indisciplinado e só arruma briga com os amigos”, é diferente de: “constatei que o João apresenta dificuldades em relacionar-se com os amigos, por isso gostaria de discutir algumas sugestões para ajudá-lo a superar esta questão”.

8.     SEJA ESPECÍFICA NOS COMENTÁRIOS: Os Pais podem se perder nos comentários generalizados. Ao invés de dizer “Ela não assume responsabilidades”, focalize no problema apontando “Maria teve a semana inteira para terminar o trabalho, no entanto ela apenas escreveu e entregou dois parágrafos”.

9.     OFEREÇA UM PLANO DE AÇÃO PARA OS PAIS: Muito mais que receber orientações, os Pais apreciam ter um plano de ação para seguir. Assim, se a Maria não é responsável, será apreciado sugerir aos pais dar a ela uma lista de tarefas semanais ou ainda permitir que ela encarregue-se de tomar conta do bichinho de estimação. Quando você oferece conselhos, faça com que os pais saibam que você está apenas fazendo uma sugestão e caberá a eles escolher as melhores estratégias conforme o perfil da família. Se precisar de mais ajuda consulte as dicas no blog http://www.comoeducarosfilhos.com.br

10. ESQUEÇA O PEDAGOGUÈS: Jamais utilizar-se do “pedagoguês” com frases do tipo: “a coordenação motora fina”, “o processo de ensino aprendizagem”, “está na fase silábica-alfabética”, são frases sem sentido para muitos Pais.

11. DOMÍNIO PRÓPRIO: Pode ocorrer de você deparar-se com Pais que mostram-se abusivos ou hostis. Jamais fique na defensiva, pois isso revela fraqueza e insegurança, e coloca em dúvida tudo o que você tiver que falar adiante. Tente não ser rude, qualquer que seja a provocação ou o comentário sarcástico. Ouça de modo polido e educado. Se esta situação ocorrer durante a Reunião de Pais  Bimestral, proponha aos Pais agendar horário específico para tratar em particular. Verifique com a Escola qual o procedimento adotado.

12. FOCALIZE NOS PONTOS FORTES: É muito fácil para os Pais sentirem-se na defensiva, pois muitos deles se veem nos filhos. Você poderá ajudar se levantar as áreas onde estão os pontos fortes do aluno e as áreas que precisam ser melhoradas, ao invés de criticar e apontar apenas as fraquezas.

13. USE A LINGUAGEM CORPORAL A SEU FAVOR: A linguagem não verbal pode ser sua aliada ou sua inimiga. O seu corpo fala, e expressa sempre o que você sente e pensa. É esta linguagem que os Pais estarão atentos, antes mesmo de você começar a falar.

14. ENFOQUE NA COLABORAÇÃO: Faça com que os Pais saibam que você quer trabalhar em aliança com eles, no melhor interesse da criança. Um comentário do tipo “Você precisa comparecer na escola o mais rápido possível para discutirmos as dificuldades do João”, apenas inflama hostilidade nos Pais. O seguinte comentário diz a mesma coisa de um modo mais proativo: “Constatei que o João está encontrando algumas dificuldades, então gostaria de conversar com você para que juntas possamos encontrar as melhores alternativas para ajudá-lo a superar esses problemas”.

15. OUÇA O QUE OS PAIS TEM A DIZER: A despeito do fato de que nós gastamos um terço de nossas vidas ouvindo, muitos adultos são péssimos ouvintes. Para que você obtenha o máximo em qualquer Reunião de Pais de Pais procure realmente ouvir o que eles dizem e principalmente COMO eles dizem. Observe a linguagem corporal deles. Você vai se surpreender com os aprendizados que vai tirar dessas observações.

16. CONCENTRE-SE NA SOLUÇÃO, NUNCA NOS PROBLEMAS: Idealmente falando todas as reuniões de pais deveriam apenas abordar coisas positivas, os sucessos e as conquistas. Realisticamente falando, a situação é bem diferente. As reuniões de Pais acontecem porque existem problemas. Entretanto todas as reuniões poderão transcorrer dentro da cordialidade e paz sempre que você focar nas soluções ao invés de ficar se concentrando no problema do aluno. Discuta o que você e os Pais podem fazer para ajudar a melhorar ou resolver a situação. Estabeleçam, juntos, um Plano de Ação com tarefas para todos realizarem (Você, os Pais, e o Aluno)

17. FECHAMENTO: Antes que a Reunião de Pais finalize, faça o fechamento da conversa e deixe claro quais ações você e os pais decidiram implementar.

18. MANTENHA UM REGISTRO DA REUNIÃO DE PAIS: Será muito útil você manter um breve relato do que foi discutido na reunião. O que foi dito, sugerido, e estabelecido para ser realizado. Após a reunião, faça as anotações enquanto os detalhes ainda estiverem frescos na memória.
Como você pode observar, interagir com as pessoas requer lidar com uma alta carga de emoções que envolvem expectativas, frustrações, medos e incertezas, por isso esteja atenta a essas dicas e você vai arrasar na próxima Reunião de Pais.



A Pauta formal será apresentada na reunião (ATPC).