Hora de Estudar

sexta-feira, 7 de abril de 2017

ATPC de 11 de Abril de 2017

 Caros professores, as temáticas para o encontro de terça-feira, 11 de abril - ATPC (aula de trabalho pedagógico coletivo) serão as seguintes:
-  Projetos escolares sob a luz do “Programa Novo mais Educação -MEC”.  
- Formação: O professor Leitor e a gestão de sala de aula, com olhar para os projetos de vida dos discentes.

Colegas, após a leitura dos textos de apoio (seguem abaixo) pensei em vários tipos de sonhos.

Sonhos possíveis;
Sonhos utópicos;
Sonhos grandes, médios e pequenos;
Sonho com projeto;
Sonho sem projeto;
Sonho com projeto, mas sem ação.
Sonho com perspectiva;
Sonho para sonhar e continuar sonhando... “gerundiando” e o tempo passando.
Sonhar para quê?
Sonhos, todos temos? O aluno tem?

Pois, bem vamos às leituras para relacionarmos Texto x Texto e Textos  x Temas. 

Professor Coordenador Martins Ramos.           
                               

  Texto 1: Cadeira de balanço


                                                                                                                                           Eliana Jacob Almeida 


Minha mãe tinha visto em um filme: era uma cadeira grande de vime, sem pés, que ficava pendurada em cima de uma piscina. Ali a atriz passava horas lendo seus romances adocicados. Como adorava ler, a partir daquele instante, aquela cadeira passou a povoar os sonhos de minha mãe. Ouvíamos sempre declarar, com suspiros, que maravilha seria passar umas horas lendo em tão confortável cadeira. Anos se passaram, e um dos meus irmãos, na época recém-formado, resolveu fazer uma viagem para o sul com dois amigos, num fusca azul-marinho que nós tínhamos.

Lá, ele se deparou com a famosa cadeira de balanço e não teve dúvidas: gastou o que tinha para realizar o sonho da dona Ely. A cadeira era tão grande que não cabia no carro, enviou-a pelo correio. Enfim chegou o objeto dos sonhos de minha mãe, mas para sua frustração –e nossa também—não havia em nossa casa uma viga sequer onde se pudesse pendurar tal  cadeira. Ficou guardada anos, empoeirou, criou teias de aranha e uns trinta anos depois, quando todos os filhos se formaram,  casaram-se e veio a viuvez, minha mãe vendeu a casa, foi para um apartamento e a cadeira foi para o lixo.

Ouço com frequência a máxima oriental: “cuidado com seus sonhos” e a história da cadeira explica tudo. Passamos nossa vida elegendo cadeiras que serão a resolução de nossos problemas, a concretização de nossos sonhos ou a realização de nossa felicidade. Nem sempre chegam, é verdade, mas talvez seja melhor assim, porque às vezes – quando chegam – é muito triste descobrir que elas não cabem na nossa realidade, fazem parte do mundo dos sonhos.

Outro dia vi uma cena de um filme, de relance – não sei o nome – em que um rapaz foi visitar um tio, que era publicitário em Nova York, e perguntou o que ele fazia em seu trabalho, ao que o tio respondeu: “Eu faço as pessoas infelizes”. Percebendo o espanto do sobrinho, acrescentou: “Eu faço as pessoas infelizes ao pensarem que só estarão bem se comprarem o produto que estou oferecendo”. Falou com convicção, porém com tristeza. Essa cena mostra o que deve ser tarefa nossa em uma sociedade capitalista que estimula o tempo todo o consumismo desenfreado: adquirir apenas o necessário; o que, de verdade, é essencial para nós. Caso contrário, de duas, uma: ou continuaremos infelizes, sonhando a com a nossa “cadeira de balanço” ou então, pagaremos em infinitas vezes a “cadeira” que não teremos onde colocar.

Nesse período de férias, em que a reflexão nos invade, começamos já esboçar os planos para o próximo semestre. Desejo a todos os leitores um bom descanso, com bons projetos e sonhos possíveis e importantes, daqueles que  passam pelo crivo da consciência. Que  todos nós nos convençamos de que as melhores conquistam vêm de dentro, de uma luta constante em ser melhor e mais útil nesse mundo que se especializa em prometer a felicidade por meio de “cadeiras de balanço”.






Eliana Jacob Almeida é professora e escritora. Apaixonada por Literatura, acredita na palavra como instrumento para mudar o mundo.








 Acessando em 05 de abril 2017 - http://jornal4cantos.com.br/cadeira-de-balanco/ 


Texto 2:   MÃOS TALENTOSAS – A HISTÓRIA DE BEN CARSON 
(Trecho do filme).
video

acessado em 07/04/2017  https://www.youtube.com/watch?v=Ee0cZRZ4G4Y



Texto 3: MÃOS TALENTOSAS – A HISTÓRIA DE BEN CARSON


                                    Resenha do filme mãos talentosas

Mãos Talentosas retrata a vida de Ben, um menino pobre, negro, que não tinha muita chance de crescer na vida, ou seja, de se tornar um homem bem sucedido. Ben sempre tirava notas muito baixas na escola e por conta disto era altamente criticado pelos colegas, fazendo com que ele se sentisse como uma pessoa burra, e assim desenvolvendo um temperamento muito agressivo.
A mãe de Ben sempre acreditou no potencial de seu filho, incentivando-o a estudar, a trocar a TV por bons livros, a não desistir, pois acreditava que o filho teria um futuro totalmente diferente do seu.
Através do esforço, incentivo e dedicação da mãe, Ben chegou a ser o melhor aluno da sala. Cresceu e conseguiu alcançar o seu objetivo, não só se tornou médico, mas o melhor neurocirurgião do mundo.
Quando comparamos o filme ao universo do coaching, logo podemos perceber o poder da Programação Mental Positiva, exercida pela mãe de Ben, que o ensinava todo o tempo a materialização dos seus pensamentos, ou seja, fazendo com que ele acreditasse que pensar positivamente o levaria a uma realidade de sucesso, amor e paz.
A mãe de Ben trabalhava em seu filho a Lei da Atenção Concentrada, esta lei dispõe que quando uma pessoa concentra a sua atenção numa ideia  esta se concretiza por si mesma. Ela fez com que ele acreditasse que podia fazer tudo o que as outras pessoas faziam, mas sempre de uma forma melhor. Ajudou-o a expandir sua inteligência e sua crença em Deus e em si mesmo.
Ben foi ajudado por sua mãe a quebrar crenças limitantes e potencializar a sua auto-estima, despertando e aumentando a consciência do seu poder pessoal. Ben passou a caminhar para a evolução do seu eu. Sua fé o levou a perseguir e a alcançar o seu sonho de se tornar um dos mais importantes neurocirurgiões do mundo.



Mônica Bastos

acessado em 8 de abril, 2017 - http://monicabastos2005.blogspot.com.br/2011/07/resenha-do-filme-maos-talentosas.html